Estudo vê relação entre celulares e infertilidade

Cientistas húgaros estão investigando se o uso prolongado de telefones celulares pode realmente provocar a redução e a degradação de espermatozóides no homem. Na primeira etapa do estudo, feito na Universidade de Szeged, os pesquisadores constataram que os usuários tiveram uma redução de quase 30% na concentração e na qualidade do esperma.Foram mais afetados, segundo os cientistas, os homens que costumam carregar o celular no cinto ou no bolso da calça, o que caracterizaria algum efeito de radiação. O líder da pesquisa, Imre Fejes, ressaltou no sumário que são necessários mais estudos para se chegar a conclusões.Esta etapa do estudo durou 13 meses e envolveu 221 homens, segundo o jornal britânico The Sunday Times. Os detalhes da pesquisa (como a faixa etária dos homens e suas atividades, por exemplo) serão apresentados nesta terça-feira na conferência anual da Sociedade Européia de Reprodução Humana e Embriologia (ESHRE, na sigla em inglês), em Berlim.A notícia do Sunday Times foi recebida com reservas por outros cientistas, que questionaram se o estudo teria levado em conta o modo de vida dos usuários afetados, como o grau de estresse nas atividades profissionais, o fato de fumar ou não, entre outras condições que afetam a qualidade do esperma.

Agencia Estado,

28 de junho de 2004 | 10h28

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.