Estudo vincula síndrome de Down a menor risco de câncer

Triplicação de cromossomo que causa a síndrome também multiplica gene que protege contra certos tumores

EFE,

20 de maio de 2009 | 17h42

Um estudo publicado no site da revista Nature explica por que os portadores de síndrome de Down têm menos risco de contrair cânceres sólidos.

 

Uma equipe de especialistas americanos dirigida por Sandra Ryeom, do Hospital Infantil de Boston, nos Estados Unidos, descobriu que as pessoas que nascem com a síndrome, causada pela trissomia do cromossomo 21, têm duas cópias de um gene que parece proteger do câncer.

 

O câncer sólido é o aumento anormal do número de células em órgãos sólidos, como o seio ou a próstata, em oposição à leucemia, que afeta o sangue e a medula óssea.

 

Os pesquisadores descobriram que esse duplo gene, chamado DSCR1 e encontrado no cromossomo 21, desacelera o crescimento dos tumores em uma espécie de rato.

 

O DSCR1 parece trabalhar em conjunção com outro gene do cromossomo 21, o DYRK1A, interferindo no processo de sinalização da enzima calcineurina, que permite aos tumores desenvolver sua própria vascularização.

 

Segundo a Nature, a descoberta abre novas possibilidades de tratamento para reduzir a frequência dos cânceres sólidos nos portadores de síndrome de Down, e aponta a atividade da calcineurina como uma possível via de intervenção terapêutica.

Tudo o que sabemos sobre:
câncernature

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.