Etanol brasileiro é opção para reduzir emissões de CO2

A possibilidade de a Rússia ratificar o Protocolo de Kyoto pode dar fôlego à meta brasileira de se tornar um grande fornecedor mundial de biocombustíveis. ?A iniciativa da Rússia clareia um horizonte que consideramos promissor?, afirmou o diretor do departamento de Açúcar e Álcool do Ministério da Agricultura, Ângelo Bressan.A adesão russa ao Protocolo de Kyoto é considerada essencial para que entrem em vigor as regras para a emissão de dióxido de carbono (CO2) e outros gases poluentes. E a mistura de álcool na gasolina e a adoção de biocombustíveis são possibilidades para reduzir a emisão dos gases que causam o aquecimento global.?Precisamos estar prontos para atender à demanda por biocombustíveis?, disse Bressan.Recentemente, o presidente Luiz Inácio Lula da Silva tratou do assunto dos biocombustíveis e lembrou que não existe no mundo um país mais preparado do que o Brasil para atender à demanda pelo etanol.O vice-presidente, José Alencar, que estará em missão oficial na Rússia nos dias 11 e 12 de outubro, deve incluir o etanol em sua lista de negociações prioritárias.

Agencia Estado,

01 de outubro de 2004 | 12h50

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.