EUA aprovam mais verba para células-tronco

Ignorando a ameaça de veto feita pelo presidente George W. Bush, parlamentares americanos votaram nesta terça-feira à favor da expansão dos limites impostos ao financiamento de pesquisas com células-tronco embrionárias nos Estados Unidos. O projeto de lei foi aprovado pela Câmara dos Representantes por 238 a 194 - suficiente para passar adiante no Congresso, mas muito abaixo da maioria de dois terços necessária para impedir o veto presidencial.Bush disse que vetará a proposta. "Esse projeto nos colocaria além de uma linha ética crítica, ao criar novos incentivos para a corrente destruição de vida humana emergente", disse o presidente, antes mesmo da votação. "Cruzar essa linha seria um grande erro".Defensores da pesquisa acreditam que as células-tronco embrionárias poderão, um dia, servir de base para o tratamento de uma série de doenças graves, assim como na recuperação de tecidos danificados. Para isso, as células precisam ser extraídas de um embrião de cinco a seis dias, que é destruído no processo. Opositores acreditam que esse embrião representa uma vida humana, e não pode ser sacrificado para o benefício de outros.O líder da maioria na Câmara, Tom DeLay, disse que o projeto de lei forçaria os contribuintes a financiar "o desmembramento de seres humanos". Mas não convenceu muitos democratas.A pesquisa com células-tronco embrionárias não é proibida nos EUA. Desde 2001, entretanto, o financiamento com recursos federais é limitado ao estudo de 78 linhagens celulares preexistentes do dia 9 de agosto daquele ano. A decisão limita seriamente o avanço das pesquisas nessa área, já que a maior parte da produção científica pública nos EUA depende de verbas federais.

Agencia Estado,

24 de maio de 2005 | 20h59

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.