EUA aprovam remédio ´para negros´

A agência para alimentos e medicamentos dos Estados Unidos, a FDA, aprovou na quinta-feira o polêmico remédio BiDil, para prevenir problemas cardíacos exclusivamente em afro-americanos.O BiDil demonstrou ter melhores resultados em negros do que em brancos em vários testes.O medicamento é um combinação de dois genéricos que dilatam os vasos sanguíneos e pode ser receitado para o tratamento de falhas que afetam a capacidade de bombeamento do músculo cardíaco. Esse problema leva ao aumento dos fluidos nos pulmões e quase metade dos pacientes morre em cinco anos.O tratamento habitual é realizado com inibidores ACE, mas, segundo os pesquisadores, este é mais eficaz para os brancos.Para confirmar a eficácia do BiDil entre os negros, o laboratório NitroMed e a Associação de Cardiologistas Negros estudaram o caso de 1.050 pacientes que se identificaram como afro-americanos e lhes administraram uma terapia com BiDil ou com placebo.Ao concluir o estudo, que levou dois anos, determinaram que 54 pacientes que tomaram placebo, ou 10,2% dos pesquisados, haviam morrido. No grupo que tomou o BiDil, o número de mortes foi 32, ou 6,2%."Acho que qualquer coisa que traga benefício para os cardíacos é um avanço", disse Keith Ferdinand, da Associação de Cardiologistas Negros.Ele e outros, porém, manifestaram reservas sobre a aprovação de uma droga só para negros, pois isso poderia estimular a idéia de que há diferenças biológicas básicas entre as raças, já bastante usada para justificar a discriminação.

Agencia Estado,

24 de junho de 2005 | 09h46

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.