EUA aprovam uso de chip de identificação de pacientes

A Administração para Alimentos e Medicamentos (FDA), do governo dos Estados Unidos, aprovou nesta quarta-feira o uso de chips para a identificação eletrônica de pacientes. A empresa Applied Digital Solutions, da Flórida, foi autorizada a lançar no mercado o produto, do tamanho de um grão de arroz, que será implantado sob a pele dos pacientes e permitirá acessar seu histórico médico em poucos minutos.Os chips contêm uma espécie de código de barras que, ao ser lida eletronicamente por um scanner, expõe informações que vão desde o tipo sanguíneo de seu portador até seus problemas de saúde que requerem maior atenção, bem como dados sobre alergia a determinadas substâncias.No México, pelo menos mil destes chips já foram implantados, num procedimento que leva menos de 20 minutos por paciente. Os médicos têm acesso ao histórico de tratamentos e internações e os maiores riscos à saúde do usuário.Além de já ser usado em animais de estimação, para que os donos possam resgatá-los em caso de perda, os chips começaram a ser testados na Europa, em bares e boates. Seus usuários podem simplesmente marcar seu consumo numa conta previamente aberta.

Agencia Estado,

13 de outubro de 2004 | 13h00

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.