EUA exigem que alimentos tragam mais dados sobre gordura

As gorduras trans não têm o mesmo tipo de atenção popular que as gorduras saturadas, que constam das tabelas nutricionais nas embalagens dos alimentos. Isso deve mudar: o governo dos Estados Unidos decidiu exigir que o nível de gordura trans, que é capaz de entupir artérias, também passe a constar das informações nutricionais ao consumidor.A gordura trans é responsável por muito do sabor de alimentos como as batatas fritas industrializadas, mas é pelo menos tão prejudicial à saúde quanto as gorduras saturadas - talvez até mais, na opinião de alguns especialistas. Regulamento anunciado hoje pela FDA, órgão do governo americano que controla a qualidade de alimentos e remédios, exige que o nível de gordura trans passe a constar das tabelas na embalagem dos alimentos numa linha abaixo à das gorduras saturadas. Adicionando os dois valores, o consumidor poderá saber quanto de gordura prejudicial há no produto.A gordura saturada é encontrada principalmente na carne e em outros produtos que contêm gordura animal. Recomenda-se que as pessoas evitem consumir mais de 20 gramas ao dia. As gorduras trans estão em diversos produtos, de carnes a laticínios e doces, como donuts ou biscoitos recheados.A fonte mais comum da gordura trans são os óleos vegetais parcialmente hidrogenados. A gordura hidrogenada é muito utilizada em tortas, salgados e sorvetes, margarinas sólidas e gorduras para fritura. Tipicamente, quanto mais dura for a margarina ou a gordura para fritura, mais gordura trans haverá. Margarinas moles contêm pouco desse tipo de substância.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.