EUA quer que China aja em relação a emissões de carbono

Para negociador, país não precisa estabelecer limites, mas deve medir índices e divulgar para os outros países

AP

12 de junho de 2009 | 13h16

O negociador-chefe dos Estados Unidos para questões climáticas disse que a China deve concordar em cortar suas emissões de carbono, mas não se limitar a metas específicas.

 

Jonathan Pershing tem demonstrado as expectativas dos Estados Unidos em fazer com que países em rápido desenvolvimento façam parte de um acordo climático. A última rodada das conversas terminou nesta sexta, 12.

 

Pershing foi parte da delegação dos Estados Unidos para mudanças climáticas em Pequim nesta semana. Ele disse que as discussões foram boas, embora ainda não tenham sido firmados acordos.

 

Ele disse que, diferente de países industrializados, a China não precisa aceitar um limite dos gases do efeito estufa. Mas deveria concordar em tomar atitudes para controlar as emissões que possam ser medidas e divulgadas para a comunidade internacional.

Tudo o que sabemos sobre:
Chinaemissão de carbonopoluição

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.