Europa cobra decisão russa sobre Protocolo de Kyoto

A União Européia deve dar à Rússia um prazo, até dezembro, para que anuncie definitivamente se vai ou não ratificar o Protocolo de Kioto - tratado internacional que estabelece metas para os países reduzirem as emissões de gases causadores do efeito estufa.A Rússia é peça fundamental para que o protocolo entre em vigor, pois é necessária a adesão de países responsáveis por 55% das emissões globais de gases. A Rússia responde por 17% das emissões no planeta e é o único país que poderia atualmente fazer chegar ao índice de 55%, já que os Estados Unidos (os maiores emissores) não aderiram e boicotam o tratado.O comissário europeu de Energia, Loyola de Palácio, disse à agência Efe, da Espanha, que a Europa precisa saber logo se o mecanismo de compensações pela redução das emissões, previsto no protocolo, será aplicado ou não em todo o mundo. "É preciso levar em conta o enorme custo para nossa indústria (que o sistema de emissões terá) se o Protocolo de Kioto não entrar em vigor", disse.Palácio considera pouco provável a adesão da Rússia e, diante disso, pede pressa na sua palavra final. "Tendo em vista a situação, temo que o Protocolo Kioto provavelmente não entrará em vigor. A UE deve colocar dezembro de 2004 como limite para que Rússia ratifique o protocolo."O governo russo vem jogando com este poder de decisão quanto ao Protocolo de Kyoto, ora acenando com a adesão para pressionar os Estados Unidos em questões políticas e econômicas, ora acenando com a não-adesão, para obter vantagens junto aos países europeus.

Agencia Estado,

22 de setembro de 2004 | 14h34

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.