Europa esquenta mais do que esperado, diz WWF

As temperaturas nas principais cidades européias estão aumentando em um ritmo mais rápido do que o previsto, alerta o novo relatório da organização ambientalista Fundo Mundial para a Natureza (WWF).O estudo analisou as temperaturas em 16 cidades da Europa durante o verão nos últimos 30 anos e concluiu que, na maioria dos casos, houve um aumento de pelo menos um grau Celsius.Madri foi a cidade que registrou o maior aumento nas temperaturas máximas, cerca de dois graus mais altas do que nos anos 70. Londres, Paris, Estocolmo, Lisboa e Atenas também tiveram acréscimo de 1,5 grau.O WWF atribui o aquecimento principalmente aos gases causadores do efeito estufa, como o dióxido de carbono, que é liberado na atmosfera por automóveis e outros veículos e por usinas de eletricidade movidas a carvão ou gás.Condições extremasSegundo o relatório, o continente deve esperar mais ondas de calor extremo, períodos de seca e chuvas torrenciais e algumas cidades podem ser especialmente afetadas.Embora muitos europeus possam ver o aumento de temperatura como boa notícia, a entidade não-governamental alerta que um clima mais quente não significa apenas mais noites ao ar livre, mas também exaustão para os que trabalham e riscos de saúde para os idosos.O WWF também adverte que medidas para aliviar o calor a curto prazo, como o ar condicionado, que usa eletricidade, podem apenas piorar o problema.O relatório defende que as autoridades européias cortem as emissões de dióxido de carbono e invistam em fontes alternativas de energia. Segundo a entidade, se continuarem a esquentar nesse ritmo, algumas das principais cidades européias podem se tornar inabitáveis.  mudanças climáticas

Agencia Estado,

15 de agosto de 2005 | 15h17

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.