Evolução faz homens e mulheres enxergarem diferente

Homens enxergam melhor de longe e mulheres, de perto; efeito é atribuído à seleção natural

EFE,

30 de julho de 2009 | 16h17

Homens e mulheres veem diferente por uma questão de programação cerebral derivada de quando os antepassados masculinos se dedicavam predominantemente a caçar e os femininos a colher, segundo um estudo publicado no British Journal of Psychology.

 

As conclusões do estudo, dirigido pela psicóloga Helen Stancey, são o resultado de uma série de experiências que demonstraram que os homens têm uma maior capacidade de discernir à longa distância e as mulheres focalizam melhor a curta distância.

 

A pesquisa, segundo os autores, sugere que o cérebro dos homens e das mulheres evoluiu de maneira diferente por causa das tarefas  definidas que tinham os indivíduos de cada sexo para garantir a sobrevivência do grupo.

 

Os homens eram os caçadores e tinham que forçar a vista para as distâncias longas, em busca de presas, o que gerou uma seleção a favor da capacidade para distinguir de longe, enquanto as mulheres, em sua condição de coletoras de frutos ou raízes, se adaptaram melhor à visualização de objetos ao alcance das mãos.

 

Para demonstrar que há uma diferença de percepção visual em função do sexo, os pesquisadores pediram a um grupo de 48 homens e mulheres que marcassem com um ponteiro laser o eixo central de várias linhas traçadas em uma folha de papel.

 

O resultado foi que os homens eram mais precisos quando o papel se situava a uma distância de 100 metros e que as mulheres se aproximavam mais do ponto central quando se situava a 50 centímetros.

 

"Já existia evidência de que houve caminhos separados na maneira de processar cerebralmente a informação visual. Nossos resultados sugerem que a relacionada com as distâncias curtas favorece as mulheres e a relacionada com as distâncias longas os homens", disse Stancey, professora do Hammersmith and West London College.

Tudo o que sabemos sobre:
evoluçãovisãoolhospsicologiasexo

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.