Exames não provam que faraó tenha sido assassinado

Os resultados das tomografias feitas na múmia de Tutancamon não indicam que o jovem faraó, que reinou no Egito há cerca de 3.300 anos, tenha sido assassinado. Mas o mistério em torno da sua morte, aos 19 anos, parece longe de ser solucionado."É virtualmente impossível provar como ele morreu", disse nesta terça-feira Zahi Hawass, secretário-geral do Conselho Superior de Antiguidades do Egito, ao anunciar as conclusões do estudo que começou há dois meses."Em resposta às teorias de que Tutancamon teria sido assassinado, a equipe não encontrou nenhuma evidência de qualquer pancada na parte posterior da cabeça ou outro sinal de que tenha sido atacado", afirma o comunicado apresentado pelo conselho.Em entrevista, Hawass disse que os pesquisadores também consideram "extremamente improvável" que o jovem faraó tenha sofrido um acidente e ferido seriamente a região do tórax, como afirmam algumas teses.Fratura e venenoAs tomografias revelaram uma fratura no fêmur esquerdo que poderia ter ocorrido pouco antes de sua morte e desencadeado um processo infeccioso capaz de matá-lo. "Ainda que a fratura em si não tenha posto em risco sua vida, uma infecção pode ter se estabelecido", diz o comunicado.Mas há controvérsias neste ponto: "Parte da equipe acredita que a fratura possa ter sido causada pelos embalsamadores", ou seja, depois da morte de Tutancamon.Sem provas concretas, restam os palpites. "Eu tenho duas teorias: ele deve ter morrido de causas naturais ou foi envenenado", disse Hawass. "Nós vamos estudar suas vísceras e verificar se os órgãos mostram algum sinal", explicou ele, ressalvando que a possibilidade de sucesso é mínima.SaudávelO jovem faraó, segundo os pesquisadores, teve infância e adolescência saudáveis, com boa alimentação e nenhum sinal de desnutrição ou doenças infecciosas. Cresceu normalmente, sem desenvolver muito a musculatura.Tutancamon tinha uma pequena fissura no palato, mas não estava associada a nenhum tipo de deformidade facial. Seus dentes incisivos eram grandes e o jovem tinha uma sobremordida acentuada, considerada característica de outros reis de sua família. Os dentes frontais inferiores eram ligeiramente desalinhados.Os pesquisadores consideram normal o formato alongado do crânio do faraó e concluíram que a curva notada em sua coluna teria sido provocada pela maneira como os embalsamadores posicionaram o corpo do jovem.GlóriaA curta e gloriosa vida de Tutancamon desperta fascínio desde que sua tumba foi descoberta, em 1922, no Vale dos Reis - em Luxor, sul do Egito - pelo arqueólogo britânico Howard Carter. A descoberta trouxe à tona tesouros em ouro e pedras preciosas.A equipe que escaneou a múmia do faraó é liderada por pesquisadores egípcios e composta também por três especialistas europeus - dois italianos e um suíço. Eles fizeram cerca de 1.700 imagens tomográficas da múmia.Este foi o primeiro estudo do gênero feito sobre um membro da realeza egípcia. O conselho não permitiu exames de DNA, apenas testes não invasivos na múmia.A linhagem de Tutancamon é considerada também uma questão polêmica. Não está claro se ele é filho ou meio-irmão de Akhenaten, o faraó que instituiu uma revolucionária forma de monoteísmo no Egito antigo e que era filho de Amenhotep III.Acredita-se que Tutancamon foi o 12.º faraó da 18.ª dinastia do Egito Antigo, e que teria ascendido ao trono com 8 anos de idade para morrer aos 19, em 1323 a.C.

Agencia Estado,

08 de março de 2005 | 13h21

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.