Exercícios mentais reduzem impacto de Alzheimer

As pessoas que desenvolveram mais suas capacidades intelectuais estão mais bem preparadas para enfrentar os sintomas da deterioração mental na velhice e mesmo em casos de doenças como Alzheimer, segundo um estudo publicado hoje na revista científica britânica New Scientist.Como outros estudos, este afirma que, quanto maior o coeficiente intelectual de um indivíduo, menor a probabilidade de que essa pessoa tenha demência senil ou danos cerebrais. Psicólogos e neurologistas começaram a denominar esta capacidade de "reserva cognitiva".Michael Rutter, membro do Instituto de Psiquiatria de Londres, disse à revista que aqueles indivíduos que possuem maior nível de educação e que sofrem de uma doença como Alzheimer não sofrem uma deterioração vertiginosa, e são capazes de combater os sintomas de forma mais efetiva.Estas descobertas levaram a Associação de Alzheimer dos Estados Unidos a recomendar que sejam adotadas medidas para aumentar a "reserva cognitiva"."Isto é tão válido como qualquer droga que possamos tomar para conter a progressão do Alzheimer", afirmou Yaakov Stern, da Universidade de Columbia, nos Estados Unidos.Segundo a New Scientist, os especialistas fazem cinco recomendações para ajudar a aumentar o poder mental: manter-se alerta, estar em forma, reduzir o estresse, comer de forma adequada e evitar o álcool.

Agencia Estado,

15 de dezembro de 2005 | 10h48

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.