Fala de Cabral contraria normas da PM sobre ato gay

Após incentivar policiais e bombeiros a participar uniformizados da próxima passeata do orgulho gay no Rio de Janeiro, o governador Sérgio Cabral (PMDB) reconheceu que os regulamentos internos das corporações impedem a iniciativa. Ontem, durante a inauguração da Unidade de Polícia Pacificadora (UPP) do Morro de São Carlos, o peemedebista explicou que não havia feito uma determinação ou um decreto, mas tinha apenas dado "um exemplo do exercício da cidadania".

AE, Agência Estado

18 Maio 2011 | 10h28

"Se o regulamento da corporação não permite, então não vão. Se essa é a regra atual... Eu só quis destacar. Não é uma decisão do governador, 'tem de ir'. É a ilustração de que na Europa e nos EUA, nas paradas gays, as instituições policiais ou não policiais se fazem representar, com os seus representantes uniformizados, com carro da corporação, representando toda a corporação", justificou Cabral.

Presente ao evento, o comandante-geral da PM, coronel Mario Sergio Duarte, confirmou que os regulamentos internos impedem a participação de policiais uniformizados em qualquer tipo de evento público que não sejam os promovidos pela corporação. A eventual autorização da participação em eventos demandaria uma mudança na legislação atual. De acordo com Duarte, todos os policiais que não estiverem armados nem usando o uniforme no momento da passeata poderão participar dela "sem nenhum problema". As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Mais conteúdo sobre:
PM passeata gay Cabral Rio

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.