Falhas abalam prestígio da indústria espacial russa

As falhas de dois foguetes em menos de 24 horas, que acarretaram a perda de aparelhos espaciais, abalaram o prestígio da indústria espacial da Rússia, famosa pela confiabilidade de seus projéteis transportadores.Num intervalo de apenas 19 horas, a Rússia perdeu um satélite militar, o Molnia-3K, destinado a otimizar as comunicações em estruturas do Ministério da Defesa, e o aparelho Comos-1, protótipo dos veículos interplanetários do futuro.Os dois acidentes tiveram o efeito de uma bomba, e a imprensa advertiu que o setor espacial pode enfrentar uma grave crise porque faltam foguetes modernos e os atuais são velhos e tecnologicamente ultrapassados.Molnia-3KUm falha na segunda e terceira fases de um foguete Molnia-M, lançado ontem do cosmódromo de Plesetk, 800 quilômetros a noroeste de Moscou, impediu que o satélite militar Molnia-3K ficasse em sua órbita geoestacionária, a 40 mil quilômetros de altura.A primeira fase do Molnia-M se desprendeu segundo o programa previsto, mas depois ocorreram falhas nos propulsores da segunda e terceira etapas, explicou Alexsei Kuznetsov, porta-voz das Forças Espaciais da Rússia.O satélite, de 2,1 toneladas, caiu na região de Tiumen, na Sibéria. Aviões de resgate inspecionam uma faixa do território perto da cidade de Uvatsk, onde provavelmente caíram os fragmentos do satélite e do foguete.A queda do foguete atrasa em pelo menos um ano o programa federal para modernizar os satélites de comunicações militares.Cosmos-1O segundo fracasso teve como protagonista um foguete Volna lançado de um submarino submerso que frustrou o vôo do veleiro espacial Cosmos-1, cuja missão era investigar o deslocamento de naves no espaço com a ajuda do vento solar."A esperança de que o ´veleiro espacial´ tenha se salvado morreu", disse o porta-voz da Frota do Norte à agência Itar-Tass, depois que, por volta das 7h00 de Moscou (0h00 de Brasíla), os radares russos não registraram sinais do aparelho.O Cosmos-1 é um projeto do Centro Científico Espacial Lavochkin de Moscou financiado por várias ONGs e pela Sociedade Planetária dos Estados Unidos.Próximo lançamentoA agência espacial russa Roskosmos anunciou que os dois acidentes não afetarão o lançamento previsto para sexta-feira de um foguete Proton-K, o transportador mais potente e de grande reputação no mercado mundial de serviços espaciais."Esses lançamentos foram executados pelo Ministério da Defesa e não dependiam de nós, que realizamos os lançamentos dos programas federal e comercial", ressaltou Anatoli Permínov, diretor da Roskosmos.O Proton-K deve colocar em órbita o satélite de comunicações russo Express AM-3. Seu lançamento está previsto para as 23h41 de Moscou (16h41 de Brasília) de sexta-feira na base de Baikonur, Cazaquistão.

Agencia Estado,

22 de junho de 2005 | 12h09

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.