Falta de verbas causou fracasso de sonda em Marte

A equipe britânica que construiu a sonda Beagle 2, que falhou ao tentar aterrissar em Marte, admitiu que qualquer nova tentativa de ida ao planeta vermelho deveria ter um melhor financiamento e sistemas de detecção mais precisos para lidar com potenciais problemas.Um documento interno sobre a perda do Beagle 2 - sonda que deveria aterrissar em Marte no dia de Natal de 2003, mas não deu mais notícias desde que foi ejetada da nave em que estava - mostrou que várias falhas potenciais podem ter sido responsáveis pelo fracasso do pouso.Entre elas estão uma atmosfera mais fina do que a prevista, mau funcionamento do sistema eletrônico, estrago em um escudo de calor, uma antena de comunicação quebrada ou uma colisão inesperada com um objeto.Mais de seis meses após a "aterrissagem", um mapa de alta resolução do local do pouso não detecta nenhum sinal do Beagle 2 nem de nenhum destroço.A equipe do projeto disse que o maior erro foi ter tratado o veículo como um apêndice da sonda espacial Mars Express, não dando a ele os recursos e financiamento suficientes. Uma futura missão ao planeta vermelho deveria tratar o veículo como parte integrante da espaçonave e não como um dos seus instrumentos, afirma o documento.A sonda continua provocando emoções na equipe que o criou. "O meu pesadelo é que o Beagle 2 esteja na superfície de Marte tentando falar conosco e um cabo quebrado o impeça", diz o coordenador da missão, Mark Sims.A perda da nave em que o governo britânico colocou mais de US$ 40 milhões e a iniciativa privada, outros US$ 80 milhões, deixou em dúvida na Grã-Bretanha a habilidade da Europa em participar na corrida até Marte.O documento também afirma que a Beagle 2, que estava em busca de sinais de vida em Marte, deveria ser lembrado por avançar a tecnologia de sondas na Europa, por atrair a atenção pública e apoio para a ciência planetária sem precedentes.

Agencia Estado,

25 de agosto de 2004 | 16h16

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.