Farmanguinhos finaliza biolarvicida contra dengue

Farmanguinhos, o laboratório da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) que produz genéricos e outras substâncias, está finalizando os testes de um biolarvicida em forma de comprimido que poderá substituir os produtos que hoje são importados pelo Ministério da Saúde para fazer o combate às larvas de mosquitos que transmitem dengue, febre amarela, malária e outras doenças.A nova fórmula, desenvolvida nos últimos dois anos, foi testada em campo e teve 100% de sucesso para matar mosquitos em um prazo de 48 horas.Um comprimido do novo produto é suficiente para acabar com todas as larvas de mosquito em um volume de 40 litros de água. Ele dissolve, mata as larvas e tem a vantagem de não turvar a água (importante nos casos de caixas d´água e outros reservatórios de água potável) e de não ter efeitos negativos para a saúde da população."Esse comprimido será ideal para o combate ao mosquito da dengue que se desenvolve em locais com água limpa", explica a pesquisadora Eloan Pinheiro, diretora de Farmanguinhos.O comprimido é feito a partir de um bacilo chamado Thlingiensis Israelenses. Esse bacilo libera uma proteína tóxica que mata as larvas de mosquito, mas não causa danos à saúde dos homens.Os pesquisadores da Farmanguinhos já fizeram um grande teste de campo em junho deste ano no Estado de Pernambuco. O comprimido provou que tem duração de até 60 dias e consegue matar todas as larvas nas primeiras 48 horas.O próximo passo será a comparação da eficácia do comprimido da Fiocruz com a de produtos importados. Segundo Eloan Pinheiro, a Fundação Nacional de Saúde (Funasa), órgão do ministério que faz o combate a doenças tropicais, pretende fazer um teste de campo, comparando os produtos.Se ficar provado que o novo tablete funciona melhor do que os larvicidas importados, a Funasa vai reduzir os gastos com o combate a mosquitos. Inicialmente, um comprimido sai por R$ 0,012 para a Farmanguinhos, mas o preço pode cair ainda mais no futuro.

Agencia Estado,

01 de novembro de 2002 | 16h35

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.