Nasa
Nasa

Fenda gigante no Quênia indica que África será partida ao meio, segundo cientista

Rachadura com vários quilômetros de extensão surgiu no dia 19 de março e segue crescendo; de acordo com pesquisadora da Universidade de Londres, deslocamento de placas tectônicas formará dois continentes em algumas dezenas de milhões de anos

O Estado de S.Paulo

03 Abril 2018 | 14h01

No dia 19 de março, depois de fortes chuvas e abalos sísmicos no Vale da Grande Fenda, no oeste do Quênia, uma imensa rachadura de 15 metros de largura e vários quilômetros de extensão surgiu subitamente no solo, causando o colapso de uma estrada. A rachadura, que continua crescendo, seria um efeito do deslocamento de placas tectônicas, que levarão a África a se dividir em dois continentes, dentro de algumas dezenas de milhões de anos.  

As informações foram divulgadas em um artigo publicado pela pesquisadora Lucia Perez Diaz, da Universidade de Londres (Reino Unido), no site independente de notícias The Conversation.

De acordo com Lucia, a litosfera da Terra - formada pela crosta e pela parte superior do manto - é dividida em várias placas tectônicas, que se movem em velocidades variáveis, deslizando sobre uma camada mais profunda e viscosa conhecida como astenosfera. 

Essas forças não apenas movem os continentes, mas podem fazê-los rachar ao meio - como aconteceu há 138 milhões de anos, quando a América do Sul e a África se separaram. "O sistema da Fenda Africana Oriental é um exemplo de onde isso está acontecendo agora", escreveu Lucia.

Segundo ela, o Vale da Grande Fenda da África oriental se estende por mais de 3 mil  quilômetros, de norte a sul, entre o Golfo de Aden, na Somália e o Zimbábue. A fenda, que se tornou evidente com a rachadura que apareceu no oeste do Quênia, dividirá a placa africana em duas porções: a placa núbia, a oeste e a placa somali, a leste. 

A pesquisadora explica que, enquanto a litosfera é submetida a forças horizontais, ela é "esticada", tornando-se mais fina até que ocorra uma ruptura, formando uma fenda. Esse processo é acompanhado por fenômenos como erupções vulcânicas e terremotos ao longo da fenda. "As fendas são o estágio inicial da ruptura continental que, caso seja bem sucedida, formará um novo oceano", disse Lucia.

Mais conteúdo sobre:
Quênia [África] Geologia

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.