Feto de rato transfere célula-tronco ao cérebro da mãe

Pesquisadores da Universidade Nacional de Cingapura descobriram que os fetos de ratos em desenvolvimento no útero podem transmitir células-tronco ao cérebro da mãe, onde são transformados em componentes cerebrais, como neurônios.As novas células se concentram então nas regiões que sofrem algum tipo de dano, algo que poderia se tratar de um fenômeno reparador, afirmam os cientistas em artigo publicado nesta semana na revista britânica New Scientist.A descoberta dá esperanças que as células-tronco sejam capazes de produzir tecidos cerebrais em bom estado e que este processo seja aplicável a humanos. Caso esta teoria se confirme, seria possível tratar doenças como a de Alzheimer com a injeção de células-tronco de fetos mortos, por exemplo.Barreira do cérebroJá se sabia que, durante a gravidez, um pequeno número de células-tronco do feto costuma sair da placenta, entrar no sistema sanguíneo da mãe e passar a fazer parte da pele, fígado ou outros órgãos, onde podem ter efeitos curativos.Mas até agora não se tinha descoberto que essas células são capazes de cruzar a chamada barreira do cérebro, um "muro" natural que serve para impedir a entrada de agentes tóxicos.Falta demonstrar que as células-tronco que penetram no cérebro sejam realmente funcionais e possam atuar com o resto de células através das conexões nervosas.Na experiência com ratos, os especialistas constataram que no caso dos animais que tinham sofrido hemorragias cerebrais, as células fetais se concentravam até seis vezes mais nas áreas afetadas.   leia mais sobre células-tronco

Agencia Estado,

18 de agosto de 2005 | 09h16

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.