FHC ratifica protocolo de Kyoto

O presidente Fernando Henrique Cardoso assinou hoje a ratificação do Protocolo de Kyoto, em cerimônia no Palácio do Planalto, e prometeu que vai trabalhar diplomaticamente para conseguir a adesão necessária de outros países, até a conferência de meio ambiente de Johanesburgo, no final de agosto. Com a ratificação brasileira, sobe para 77 o número de países que apóia o Protocolo de Kyoto. O protocolo exige a redução de 5,2% da emissão de gases, que provocam o efeito estufa, em relação às emissões ocorridas em 1990. A redução desses gases tem que ocorrer até 2012. Para que o protocolo entre em vigor, é necessário que, na lista de países, estejam 55% dos responsáveis pela emissão dos gases. Segundo o ministro de Ciência e Tecnologia, Ronaldo Sardemberg, faltam apenas 19% para chegar a essa meta. Segundo ele, o governo pretende fazer esforços para atrair a Rússia, responsável por 17% de emissões, e a Polônia, responsável por 3%. Os Estados Unidos, principal emissor de gases, se recusa a ratificar o protocolo. O presidente disse que o aquecimento global é uma preocupação cientificamente fundamentada e que o Brasil não se furta de cumprir a sua parcela para alcançar essa globalização sustentável. Segundo Fernando Henrique, as negociações com os países para aderirem ao protocolo têm sido difíceis e, sem mencionar os Estados Unidos, disse que a resposta à mudança de clima não admite atitudes unilaterais e isolacionistas. "Esse tema é global, que afeta todos os povos e regiões", disse o presidente.

Agencia Estado,

23 de julho de 2002 | 15h03

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.