Alessandro Biachi/Reuters
Alessandro Biachi/Reuters

Fiéis de vários países lotam praça para se despedir de Bento XVI

Porta-voz do Vaticano disse que Bento XVI ficou comovido com o apoio dos fiéis

Jamil Chade - O Estado de S.Paulo,

27 Fevereiro 2013 | 16h17

Para os milhares de fiéis que lotaram a praça desde as primeiras horas da manhã desta quarta-feira, o dia era de "emoção". "Esse papa mostrou muita coragem ao mundo e que é um homem que sabe da importância de seus atos", disse Iara, uma religiosa paranaense que aguardou por mais de três horas na fila para conseguir um lugar privilegiado na Praça São Pedro. "Viemos aqui para rezar por ele e, claro, esperando que o próximo papa seja brasileiro", completou a irmã Terezinha, de Cambé (PR).

Grupos ainda de São Paulo, Lorena e outras cidades também estiveram presentes, escutando de Bento XVI sua última mensagem em português. Na maré de fiéis, mais de uma dezena de bandeiras brasileiras podiam ser contadas, dividindo espaço com as bandeiras da Alemanha - terra natal do papa - Espanha e outros países.

Não faltaram ainda as fanfarras da Baviera, vestidos com sua roupa tradicional para homenagear o papa alemão. "Ele faz parte da história", declarou Hans Jurgen, um aposentado que decidiu viajar até Roma para se despedir do papa. Ester e Maria, duas espanholas de 17 e 18 anos, se pintavam com as cores da Espanha como se a seleção campeã do mundo estivesse para entrar em campo. "Tomamos um avião ontem e hoje mesmo já retornaremos para Cadiz. Queríamos dizer ao papa o quanto ele representa para nós", disse Ester, coberta pela bandeira espanhola.

No palco montado nas escadarias da Basílica, o papa era acompanhado por mais de 60 cardeais, dezenas de bispos e mais de uma centena de embaixadores de diferentes países.

Mas, num gesto ao público, o pontífice modificou o rito tradicional da audiência para permitir que realizasse um passeio longo com seu papamóvel entre o público, num último adeus em Roma. Enquanto fiéis se acumulavam nos corredores gritando "Viva o papa", ou tentando uma última foto, o pontífice não escondia seu sorriso. Horas depois, o porta-voz do Vaticano, Federico Lombardi, confirmou que, apesar de exausto, Bento XVI estava "comovido" diante do apoio que recebeu.

Mais conteúdo sobre:
Renúncia papaBento XVI

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.