Filhos podem reduzir satisfação no casamento, diz estudo

Segundo pesquisa americana, casais podem ter problemas conjugais após nascimento do 1 filho.

BBC Brasil, BBC

10 de abril de 2009 | 09h54

Um estudo conduzido por pesquisadores americanos sugere que os filhos podem levar estresse e insatisfação ao casamento.

Um levantamento realizado durante oito anos por especialistas das universidades de Denver e do Texas mostrou que 90% de um total de 218 casais investigados passaram a se sentir insatisfeitos com o casamento após o nascimento do primeiro filho.

"Casais que não tiveram filhos também manifestaram uma redução na satisfação conjugal com o tempo", afirmou Scott Stanley, um dos coordenadores da pesquisa. "No entanto, ter um bebê acelera a deterioração, principalmente no período logo após o nascimento", completou.

A pesquisa, divulgada na revista especializada Journal of Personality and Social Psychology, ainda mostrou que os casais que moravam juntos antes do casamento tiveram mais problemas no casamento após o nascimento do primeiro filho do que aqueles que viviam separados.

Alguns casais disseram que seus relacionamentos fortaleceram após a paternidade, entretanto.

Casais que estavam casados há mais tempo e cuja renda era maior também tinham menos problemas conjugais do que os que estavam casados há pouco tempo e tinham rendimentos mensais menores.

Stanley pondera que a pesquisa não conclui que crianças tragam infelicidade para a vida das pessoas.

"Há diferentes tipos de felicidade e, enquanto para algumas pessoas o brilho da vida pode estar fora do casamento, há uma grande dimensão de felicidade familiar e contentamento baseada nas famílias que os casais estão construindo", disse Stanley.

"Este tipo de felicidade pode ser poderosa e positiva, mas não foi o foco do trabalho", afirmou o pesquisador. BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Tudo o que sabemos sobre:
saúderelacionamentofilhos

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.