REUTERS/Andrew Winning
REUTERS/Andrew Winning

Filme sobre Hawking rendeu Oscar de melhor ator a Eddie Redmayne

Ator emagreceu seis quilos e teve de fazer trabalho corporal para identificar cada um dos músculos

O Estado de S.Paulo

14 Março 2018 | 02h34

Lançado no Brasil em 2015, o filme A Teoria de Tudo, dirigido por James Marsh, narra o relacionamento do físico Stephen Hawking, que morreu nesta quarta-feira, 14, com Jane Wilde, sua primeira mulher, com quem se casou em 1965. O longa-metragem rendeu o Oscar de melhor ator ao inglês Eddie Redmayne, para seu papel como Hawking. O roteiro de Anthony McCarten teve como base a autobiografia escrita por Jane Hawking. 

Redmayne passou por longa preparação para o filme. O ator leu a obra de Hawking e assistiu a vídeos. Como bailarino, também aprendeu a acessar cada um dos músculos, para interpretar um homem que perde os movimentos do corpo - ao final da vida, o físico se comunicava apenas com o piscar de um dos olhos. 

++ Morre aos 76 anos o físico britânico Stephen Hawking

Aos 21 anos, em 1963, Hawking foi diagnosticado com esclerose lateral amiotrófica (ELA). Rara doença degenerativa, a ELA paralisa gradualmente os músculos do corpo, mas não atinge as funções cerebrais. Aos poucos, Hawking foi perdendo todos os movimentos e a fala foi se tornando cada vez mais difícil.

Por ficar em posições incômodas por muito tempo durante a filmagem, Redmayne precisou ir a médicos. constantemente e emagreceu cerca de seis quilos para mostrar a perda de peso de Hawking.

“Recebi algo por minha atuação no filme que vale mais do que qualquer prêmio. Aprendi, encontrando-me com pessoas sofrendo de esclerose lateral amiotrófica e suas famílias, e especificamente com Stephen Hawking, que, quando você é condenado a essa doença, sua noção do tempo muda. E ele decidiu viver cada minuto da sua vida da maneira mais plena e apaixonada que pudesse”, disse o ator antes de ser premiado com o Oscar. 

“Acho que, em minha vida, as preocupações e as fraquezas cotidianas que tomam conta da mente... Coloquei tudo em perspectiva e isso se tornou uma lembrança constante para desfrutar e viver a vida plenamente”, completou Redmayne à época. 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.