Finep lança programa de apoio a pequenas e micro empresas

A Financiadora de Estudos e Projetos (Finep) lançou ontem, em Brasília, o programa Apoio Direto à Inovação para Micro e Pequenas Empresas (ADI Pequena Empresa), que dispõe de um total de R$ 224 milhões para dar suporte ao desenvolvimento tecnológico das empresas. A Finep é uma agência financiadora do desenvolvimento científico, tecnológico e inovação, voltada para empresas e integra o Ministério da Ciência e Tecnologia (MCT). A Finep assinou um acordo ontem com o Sebrae, que oferecerá o fundo de aval para as empresas que precisarem de um plano de desenvolvimento tecnológico. ?O aval é fundamental para as pequenas empresas?, destacou Mauro Marcondes Rodrigues, presidente da Finep. O Sebrae também entra na primeira fase do programa, dando parte do dinheiro para a empresa que precise também melhorar sua gestão. O programa é dividido em duas partes e para cada uma delas a Finep destinou R$ 112 milhões. Primeiro, a Finep fará um cadastramento de instituições de pesquisa e universidades que queiram dar apoio tecnológico para as pequenas e micro empresas. Elas vão identificar que especialidades têm, que empresas podem apoiar, qual sua capacidade de dar suporte tecnológico, que cadeia produtiva podem ajudar, entre outras coisas, nesse cadastro. ?Com isso, teremos uma noção de qual o universo das instituições dispostas a jogar esse jogo?, explicou Marcondes. Na primeira fase, a universidade ou instituto receberá uma verba, não reembolsável, para dar apoio tecnológico para a empresa. Poderá ajudar a empresa a trabalhar com produto, processo, embalagem, design, normas técnicas, entre outras demandas que requerem o desenvolvimento tecnológico. Em uma segunda fase, a instituição de pesquisa poderá identificar a necessidade da empresa de ter um plano de desenvolvimento tecnológico mais complexo, menos pontual do que trabalhar em um novo produto ou processo, por exemplo. Nesse caso, a Finep oferecerá crédito para essas empresas. O mérito do plano de desenvolvimento, que será feito pela instituição ou universidade, também será analisado. Os recursos, nesse caso, serão reembolsáveis, mas a empresa pagará juros equalizados, mais baixos do que o do mercado. A Finep trabalhará com agentes financeiros para fazer a avaliação do risco de crédito das empresas. Isso será feito pelos antigos bancos de desenvolvimento, que foram substituídos por agências regionais de fomento. Para credenciar esses agentes, a Finep assinará um convênio com a Associação Brasileira de Instituições Financeiras de Desenvolvimento (ABDE), que já credencia as agências para o Sebrae. Os agentes vão analisar o risco, receber o dinheiro da Finep e repassar os recursos para as empresas. ?Estamos trabalhando com os agentes porque não vamos perder tempo fazendo a análise do risco de crédito?, justificou. Os agentes vão contar com o aval do Sebrae. O cadastramento das universidades deve começar daqui duas semanas. Inicialmente, a Finep vai financiar algumas instituições que estão ligadas a clusters, que já foram identificados pela financiadora, utilizando verbas do fundo integração universidade-empresa, o verde-amarelo. Haverá uma reunião com o comitê gestor do fundo para definir quais instituições receberão o financiamento.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.