Fiscais flagram megadesmatamento no Pará

A maior devastação e incêndio dos últimos anos da floresta amazônica para criação de pasto para o gado foi descoberta por fiscais do Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama) e homens do Exército na Terra do Meio, no sudoeste do Pará, e Cumaru do Norte, no sul do Estado: 100 mil campos de futebol, equivalente a 20 milhões de árvores.Em três meses de operação nos municípios de São Félix do Xingu, Altamira e Novo Progresso, os fiscais constataram a megadevastação quepode ser observada por satélite.A expansão da pecuária paraense, onde vive o quarto maior rebanho do país, com 18 milhões de cabeças, seria uma das causas de invasões e desmatamento de áreas públicas onde antes existia apenas mata densa. Frigoríficos do sul do Estado chegam a abater 3 mil bois diariamente.Em três meses de operação ainda não concluída, os fiscais aplicaram mais de 90 autos de infração, apreenderam tratores, motosserras, caminhões, armas, um avião, além de 2 mil metros cúbicos de madeira serrada e em toras. O total de multas alcança R$ 100 milhões, um recorde.O gerente executivo do Ibama em Marabá, Ademir Martins dos Reis, informou que na Terra do Meio os grileiros e fazendeiros destruíram 50 mil hectares de floresta.EspantoNo município de Cumaru do Norte, sul do Estado, os fiscais desceram no helicóptero do Ibama numa imensa clareira quase 60 vezes maior que a cidade de Belém e não conseguiram conter o espanto: em oito fazendas próximas umas das outras, uma área do tamanho de 50 mil campos de futebol foi toda colocada no chão e transformada em cinzas.Nem as castanheiras, protegidas por lei, escaparam do fogo. A terra seria preparada por tratores e nela atiradas sementes de capim para o gado. Em áreas públicas onde não há autorização para derrubada de árvores, a mata nativa estava sendo transformada em pasto.FazendeirosO fazendeiro Evandro Teixeira Campos foi multado em R$ 2,8 milhões, a maior aplicada pelo Ibama. Ele é acusado de derrubar 2 mil hectares de mata virgem.A área foi comprada do traficante Leonardo Dias Mendonça, preso em 2002 pela Polícia Federal acusado de fazer parte da quadrilha de Fernandinho Beira-Mar. Mendonça cumpre condenação por outros crimes numa penitenciária de Goiânia (GO).Outro apanhado pela operação do Ibama foi o deputado federal do Tocantins, o pastor evangélico Amarildo Martins da Silva (PSC), que terá de pagar R$ 525 mil de multa por destruir 350 hectares em São Félix do Xingu.   estatísticas sobre florestasNota do Editor: Este texto foi alterado as 18h20, com o acréscimo de informações e imagens

Agencia Estado,

18 de outubro de 2005 | 12h21

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.