Flamengo tem pior condição de balneabilidade no País

A pesquisa de desenvolvimento sustentável do IBGE mostra que a praia com pior condição de balneabilidade no País, entre as pesquisadas, é a praia do Flamengo, no Rio. Em apenas 33,7% das vezes que foram coletadas amostras de coliformes fecais no local a água foi considerada própria, o que é considerado um índice baixíssimo. Para se ter uma do que isso representa, a praia de Copacabana, uma das mais famosas do Brasil e também localizada em área urbana, a situação foi considerada própria em 95% das vezes. Os dados referem-se a 2002 e mostram que a situação do Flamengo piorou muito desde 1992 (63,9% das vezes foram consideradas próprias) e a de Copacabana, por outro lado, melhorou em relação há 10 anos (86,9% das vezes estava apropriada). No Estado de São Paulo, a pior situação de balneabilidade foi registrada na praia do Gonzaga, em Santos (63,5% das vezes de coleta estava própria em 2002, ante 78,9% em 1992), enquanto as praias da Enseada (96,2%), no Guarujá, e de Toninhas (100%), em Ubatuba, apresentavam resultados bem melhores em 2002. A pesquisa concluiu que, no caso dos rios que cortam áreas urbanas, as situações mais críticas de poluição hídrica foram observadas no Tietê (no trecho que corta a Região Metropolitana de São Paulo), Rio das Velhas (que corta Belo Horizonte, em Minas Gerais) e Ipojuca (que atravessa as cidades industriais de Pernambuco).

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.