Florestas do norte do Rio têm expansão de 14%

As florestas da parte inferior da Bacia do Rio Paraíba do Sul, no norte-noroeste do Estado do Rio de Janeiro, expandiram-se 14% de 1986 a 2001. Isso significa que 8.940 hectares de mata foram recuperados, o equivalente a 15 mil campos de futebol cobertos de árvores. O dado foi obtido por pesquisadores do Laboratório de Ciências Ambientais (LCA) da Universidade Estadual do Norte Fluminense Darcy Ribeiro (Uenf), que analisaram imagens captadas pelo satélite Landsat.Boa parte da recuperação se deve à ação regeneradora da própria floresta, sobretudo onde antigos canaviais foram abandonados. O estudo mostra que, em 1986, 6,8% dos 9.356 km² que compõem a parte inferior da bacia estavam cobertos por vegetação arbustiva/arbórea; em 2001, esse índice subiu para 7,8%.A pesquisa conduzida por Renata Ferreira, estudante do curso de Ciências Biológicas da Uenf, aponta que a regeneração das florestas ocorreu no mesmo período em que o Pró-Álcool declinou e leis ambientais mais severas foram editadas. Segundo a Agência Brasil, o estudo ressalva que muitos municípios na região continuam totalmente desprovidos de florestas.Perda nos manguezaisJá as vegetações de manguezais e restingas, tiveram redução considerável no mesmo período. A vegetação dos manguezais ocupava 790 hectares em 1986 e diminuiu para 761 hectares em 2001, queda de 3,6%; a vegetação de restinga caiu de 2.137 hectares para 1.857 hectares (13%) no mesmo período.Segundo o estudo, houve corte seletivo de árvores para obtenção de lenha e madeira, implantação de pastos nas áreas de mangue e lançamento de esgoto e lixo. Em algumas áreas de mangue houve também invasão de sedimentos do mar, que avançou sobre o continente.

Agencia Estado,

17 de fevereiro de 2004 | 18h24

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.