Florestas tropicais também tentarão fugir do efeito estufa

Estudo, realizado em Costa Rica, é o primeiro a indicar que esse efeito ocorrerá também nos trópicos

Efe

09 de outubro de 2008 | 18h11

O aquecimento que afeta o planeta fará plantas e insetos da selva tropical migrarem para áreas mais elevadas em busca de temperaturas mais baixas. É o que sugere um estudo realizado na Costa Rica e publicado nesta quinta-feira, 9, na revista Science.  Nas últimas décadas foram realizados inúmeros estudos que constataram como pássaros, mariposas e plantas nos Estados Unidos e na Europa migraram para regiões mais altas de montanhas, onde puderam encontrar temperaturas mais adequadas para suas necessidades.  Na selva tropical, no entanto, prestou-se pouca atenção em relação à mudança climática. As zonas ocupadas pela selva tropical, especialmente as que se encontram ao nível do mar, são as mais quentes da Terra. Mas também aqui o aquecimento global marcará presença.  O estudo, dirigido pelo ecologista Robert K. Colwell, da Universidade de Connecticut, mostra que desde 1975 a temperatura média nas selvas da América Central e do Sul aumentaram mais de 0,75°C, e a previsão é que dentro de 100 anos os termômetros mostrem um acréscimo de três graus. Uma diferença que equivale a 600 metros em altitude.  A equipe de Colwell se propôs a investigar as conseqüências dessa mudança. Eles estudaram as ladeiras do vulcão Barva, um vulcão extinto coberto de uma densa selva e de altitude aproximada de três mil metros.  Eles coletaram dados de quase duas mil espécies de plantas e insetos nos diferentes níveis de altitude.  Os resultados revelaram que mais da metade dessas espécies estão confinadas a altitudes estreitas, de maneira que uma mudança de temperatura as faria escalar o vulcão ou representaria risco para sua sobrevivência.  Os pesquisadores ressaltaram, no entanto, que o desgaste da floresta poderia ser menor se essas espécies tiverem capacidade de se adaptar a temperaturas mais altas.

Tudo o que sabemos sobre:
aquecimento global

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.