AFP/Nasa TV
AFP/Nasa TV

Foguete não tripulado explode a caminho de Estação Espacial Internacional

Propulsor explodiu cerca de 2 minutos depois do lançamento; Cápsula carregava comidas, roupas e equipamentos

REUTERS e AFP

28 Junho 2015 | 17h57

Um foguete Falcon 9 não tripulado da empresa Space Exploration Technologies explodiu cerca de dois minutos depois de ser lançado do Cabo Canaveral, nos Estados Unidos, neste domingo, dia 29. O foguete levava a nave Dragon carregada de comida e experimentos à Estação Espacial Internacional (ISS).

A causa do acidente não foi identificada até o momento, segundo autoridades. A SpaceX, como a empresa é conhecida, é de propriedade do empresário da área de tecnologia Elon Musk e prestava serviços à Nasa.

Este é o terceiro acidente em menos de um ano envolvendo o envio de materiais à Estação Espacial, onde vivem dois russos e um norte-americano. As imagens mostraram a explosão do propulsor do foguete dois minutos e 19 segundos depois do lançamento. "O veículo explodiu", disse o comentarista da Nasa George Diller.

O carregamento perdido neste domingo tinha 2.477 kg de comidas, roupas, equipamentos e experimentos científicos para a estação, segundo a agência Reuters. Entre os equipamentos estava a primeira de duas bases para táxis espaciais em desenvolvimento pela SpaceX e pela Boeing estacionarem na estação. 

Essa era a sétima missão da empresa para a Nasa. Pelo Twiiter, Elon Musk escreveu que a Falcon 9 "teve um problema pouco depois do final da primeira fase" do lançamento, em referência à etapa anterior ao momento em que o foguete se separa da cápsula. Charles Bolden, da Nasa, declarou que a agência estava "decepcionada" por esta perda, mas assegurou que a ISS tem "provisões sificientes para os próximos meses".

O foguete de 63 metros era o 19º lançamento da companhia de um Falcon 9 desde a sua estreia em 2010, incluindo seis carregamentos anteriores para a Nasa sob um contrato de 15 voos no valor de mais de 2 bilhões de dólares. 

Mais conteúdo sobre:
Nasa

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.