Foguete que deverá levar astronautas à Lua mostra problemas

Nave é parte da nova geração de equipamentos que sucederá o ônibus espacial a partir de 2010

Associated Press,

21 de janeiro de 2008 | 15h55

A Nasa está enfrentando um problema potencialmente perigoso com uma nave, desta vez um foguete lunar que ainda sequer foi construído.   Engenheiros estão preocupados que o novo foguete, parte de um sistema que deverá substituir o ônibus espacial como principal meio para levar astronautas ao espaço, poderá tremer violentamente nos primeiros minutos de vôo, talvez destruindo o veículo por completo.   "Eles sabem que é um problema", disse o professor de engenharia  Paul Fischbeck, que já atuou como consultor de risco para a Nasa. "A coisa vai balançar até despedaçar a estrutura toda, e eles precisam resolver isso".   Se não for corrigido, o tremor terá início no primeiro estágio do foguete Ares I, que levará a cápsula tripulada Orion ao espaço.   A Nasa espera ter um plano para evitar o problema em março. A agência não acredita que isso venha a atrapalhar o plano de levar astronautas de volta à Lua até 2020.   "Espero que ninguém seja tão mal informado a ponto de esperar que  pudéssemos criar um sistema para substituir o ônibus espacial sem enfrentar nenhum desafio", disse nota do administrador da Nasa, Michael Griffin.   A Nasa trabalha em um plano para voltar à Lua, a um custo de mais de US$ 100 bilhões, desde 2005. O projeto envolve dois foguetes: o Ares I, que transportará astronautas, e o Ares V, que levará cargas.   O tremor teria origem nos propulsores de combustível sólido que formam a base do Ares I, e seria causado por vórtices de gás no interior do foguete. Os vórtices harmonizam-se com as freqüências naturais da câmara de combustão, o que levaria a nave inteira a sacudir violentamente.   O primeiro vôo tripulado com um foguete Ares I deverá ocorrer em março de 2015.

Tudo o que sabemos sobre:
nasaluaorionares

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.