Victor Beccara/Arquivo pessoal
Victor Beccara/Arquivo pessoal

Fóssil de pterossauro apreendido pela PF é um dos mais preservados do Brasil, diz estudo

Artefatos foram confiscados no Porto de Santos antes de serem transportados ilegalmente; réptil voador passava a maior parte do tempo no chão

Roberta Jansen, O Estado de S.Paulo

25 de agosto de 2021 | 15h33

RIO - Um fóssil apreendido em operação da Polícia Federal em Santos, em 2013, revelou-se um dos exemplares mais completos e bem preservados de um pterossauro do gênero Tapejara já encontrado no Brasil. A descrição da nova espécie de réptil voador, batizada de Tupandactylus navigans, foi publicada nesta quarta-feira, 25, na revista eletrônica PLOS (Public Library of Science). Tem como principal autor o paleontólogo Victor Beccari, da Universidade de São Paulo (USP).

Fósseis de Tapejara são abundantes no Ceará. O subgrupo é conhecido pela enorme crista que caracteriza os seus exemplares. Entretanto, até hoje, a maior parte dos ossos encontrados na região do Crato era do crânio do réptil. Este pterossauro voador é o primeiro exemplar descrito a apresentar ossos de praticamente todo o corpo do bicho, além de tecidos moles. Isso o torna o fóssil mais completo já encontrado no País.

“Trata-se de um fóssil de extrema importância para a paleontologia brasileira e, por pouco, não perdemos toda essa informação”, afirmou Beccari. “Certamente o fóssil teria sido vendido por um preço altíssimo no exterior.”

Polícia confiscou fóssil, que foi levado para estudo

O exemplar foi confiscado pela polícia durante uma operação no Porto de Santos. Estava prestes a ser embarcado para o exterior, onde seria vendido ilegalmente a colecionadores. Levado para a USP, pôde ser estudado por especialistas.

A descrição sugere que, diferentemente do que se pensava, o animal, embora alado, passava a maior parte do tempo no chão. A proporção entre o tamanho das asas e dos membros inferiores, além da gigantesca crista, revelou que dificilmente ele conseguiria fazer voos de longa distância.

“Estamos falando de um réptil voador. A primeira coisa que pensamos é que ele estaria voando a maior parte do tempo. Mas, na verdade, ele era meio desengonçado”, disse o paleontólogo.

“A descrição mostrou que ele tinha proporções muito estranhas, um pescoço relativamente comprido, uma cabeça enorme, a perna maior do que se esperaria e as asas menores. Além disso, ele não usava a crista para voar, mas sim como um display sexual. A gente acha que ele ficava muito mais tempo no chão e voava apenas para escapar de predadores", acrescentou Beccari. 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.