Reprodução
Reprodução

Fóssil pode levar origem de primatas como o homem para a Ásia

Cientistas dizem que evidência ainda não basta para descartar a África como berço dos primatas antropoides

Associated Press,

01 de julho de 2009 | 16h07

Fósseis descobertos recentemente em Mianmar  podem vir a provar que os ancestrais comuns de humanos e macacos - os chamados antropoides - evoluíram de primatas na Ásia, e não na África, dizem cientistas em um estudo divulgado nesta quarta-feira, 1º.

 

link Riso surgiu em ancestral comum de homens e macacos

link Cientistas revelam fóssil que pode ser de ancestral do homem

 

Os pedaços de mandíbula e dentes de 38 milhões de anos são parte de um crescente corpo de evidência que está ajudando os cientistas a entender a origem dos primatas, disse Chris Bell, paleontólogo do Museu Carnegie de História Natural em Pittsburgh e membro da equipe que encontrou o fóssil, em 2005.

 

"Quando o encontramos, soubemos que tínhamos um novo tipo de primata, e basicamente, que espécie de primata era", disse Beard.

 

As descobertas foram publicadas na revista científica  Proceedings of The Royal Society B.

Outros cientistas, que não estiveram envolvidos no estudo, disseram que a descoberta é significativa, mas que não basta para pôr fim ao debate sobre a origem dos primatas antropoides.

 

Beard e colegas da França, Tailândia e Mianmar concluíram que os fósseis - que batizaram de Ganlea megacanina - vêm de 10 a 15 indivíduos de uma espécie até então desconhecida, parte de uma família extinta de antropoides asiáticos chamada Amphipithecidae.

 

O desgaste dos dentes caninos sugere que as criaturas, semelhantes e macacos e moradoras de árvores, com longas caudas, usavam a dentição para abrir frutas tropicais e alcançar a polpa e as sementes, um comportamento semelhantes ao dos micos sul-americanos da atualidade.

 

"O Ganlea não só parece um antropoide, mas estava se comportando como um 38 milhões de anos atrás, por conta dessa ecologia alimentar altamente especializada", disse Beard.

 

O pesquisador Colin Groves, um especialista em primatas da Universidade Nacional Australiana, disse que não é certo descartar a África como berço dos antropoides, por conta da falta de sítios arqueológicos da mesma época.

 

"Não há locais de idade comparável na África... então, simplesmente não podemos dizer qual o verdadeiro local da evolução antropoide nesta época", disse Groves. "Ele ainda poderia ser a África, mas é mais provável que esses proto-antropoides estivessem disseminados por toda a região tropical do mundo".

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.