Fóssil quase completo de 230 milhões de anos é encontrado no RS

O fóssil representa um tecodonte Prestosuchus chiniquensis e foi achado graças às chuvas

estadao.com.br

10 Maio 2010 | 17h11

O fóssil de Prestosuchus, apresentado a jornalistas no local da descoberta. Divulgação/Ulbra

 

O paleontólogo da Universidade Luterana do Brasil (Ulbra) Canoas, Sérgio Cabreira, e o biólogo da Ulbra Cachoeira, Lúcio Roberto da Silva, encontraram um fóssil quase completo do predador Prestosuchus do período Triássico, aproximadamente 238 milhões de anos atrás, informa a universidade. 

 

A descoberta foi feita no município de Dona Francisca, localizado na região central do Estado do Rio Grande do Sul, cerca de 260 quilômetros de Porto Alegre. O fóssil foi encontrados depois que chuvas o expuseram em parte. O material foi tombado no acervo do Museu de Ciências Naturais da Universidade Luterana do Brasil, sob número e sigla ULBRAPVT-281.

 

Os pesquisadores  apresentaram o fóssil à imprensa nesta segunda-feira, 10. O fóssil quase completo do tecodonte Prestosuchus chiniquensis, de aproximadamente sete metros de comprimento e novecentos quilos de peso, é representante de um grupo considerado ancestral dos dinossauros e aves.

 

“Este é o maior esqueleto e em melhor estado de conservação já encontrado”, afirma Cabreira.

Mais conteúdo sobre:
dinossauro fóssil ulbra

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.