Foto mostra desintegração de asteróide sobre o Sudão

Segundo a Nasa, a energia liberada na desintegração do astro correspondeu a mil toneladas de TNT

da Redação,

10 de novembro de 2008 | 16h13

Um cinegrafista sudanês, Mohamed Elhassan Abdelatif Mahir, conseguiu registrar o rastro deixado na atmosfera pela desintegração do asteróide 2008 TC3 sobre os céus do Sudão, em 7 de outubro. Este foi o primeiro asteróide em rota de colisão com a Terra a ser descoberto e rastreado ainda no espaço.   Um quadro retirado do filme foi divulgado como "imagem astronômica do dia" pela Nasa, no sábado, para estimular outras testemunhas do evento a apresentar fotos ou gravações que tenham feito. Até agora, o vídeo sudanês representa a única imagem do impacto feita a partir do solo.   Com cerca de 3 metros de diâmetro, o asteróide não representou perigo o planeta. O ponto de impacto, sobre o deserto sudanês, foi calculado por astrônomos com oito horas de antecedência. Segundo a Nasa, a energia liberada na desintegração do asteróide na atmosfera equivaleu à da explosão de 1.000 toneladas de TNT.   O asteróide 2008 TC3 havia sido descoberto na véspera da colisão, 6 de outubro, por astrônomos da Universidade do Arizona. Nas 11 horas após a informação ser divulgada pra a comunidade científica, atraindo a atenção de outras equipes de observadores, a trajetória do objeto foi determinada com precisão.   Entre descoberta e impacto, transcorreram cerca de 20 horas.

Tudo o que sabemos sobre:
asteróidesudão

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.