França autoriza morte de quatro lobos selvagens no ano

O ministro da Ecologia da França autorizou a morte de um máximo de quatro lobos selvagens neste ano, mas tanto os ambientalistas quanto os criadores de ovelhas criticaram a decisão. O ministro Serge Peltier buscou equilibrar a preocupação dos criadores, que temem a ameaça dos lobos para o rebanho, com a pressão dos grupos preservacionistas.?Minhas decisões devem, ao mesmo tempo, garantir que a população de lobos selvagens permaneça no nível adequado e limitar a pressão que esses animais representam para a população ovina?, disse Peltier. Com a medida, um máximo de quatro lobos poderá ser abatido em três regiões dos Alpes até o fim do ano, sob a supervisão das autoridades. Os lobos dos parques nacionais continuam imunes.Depois de não serem vistos por quase todo o século 20, os lobos selvagens da França hoje são 39, segundo as estimativas das autoridades. Os animais começaram a migrar para a França, vindos da Suíça e da Itália, em 1992. Rene Blanchet, que encabeça um grupo de defesa dos direitos dos criadores de ovinos, disse que a decisão de abate deve ser vistas como nada mais que ?um primeiro passo?. Mas Christophe Naudel, presidente da organização France Nature Environment, disse à TV que ?matar lobos não resolverá o problema, medidas de prevenção, sim?. A Fundação Brigitte Bardot, grupo de defesa dos animais fundado pela ex-atriz, afirma que diversos países europeus conseguem administrar a população de lobos e proteger os rebanhos.

Agencia Estado,

19 de julho de 2004 | 19h09

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.