França libera uso de embrião humano para pesquisa

O Parlamento francês aprovou nesta sexta-feira, em caráter definitivo, uma legislação de bioética que permite o uso de embriões humanos em pesquisas, por um período limitado a cinco anos.Os pesquisadores poderão usar células-tronco embrionárias nos estudos que buscam tratamento para doenças como Parkinson, Alzheimer e diabetes, entre outras.A nova legislação - que atualiza a aprovada em 1994 - permite a clonagem de embriões humanos para a produção de células-tronco mas deixa clara a proibição à clonagem de embriões para fins reprodutivos. A clonagem reprodutiva é caracterizada como crime, com pena de 20 anos de prisão.A votação ocorreu após dois anos e meio de intensos debates no parlamento. Os socialistas, que introduziram a questão do uso de embriões humanos quando estavam no governo, votaram contra a nova versão da lei, defendida pelos conservadores que chegaram ao poder em 2002.Os socialistas defendem o uso de embriões para fins reprodutivos, em alguns casos, a afirmam que vão recorrer à Corte Constitucional.

Agencia Estado,

09 de julho de 2004 | 12h37

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.