Fritura pode causar câncer, diz pesquisa

Uma pesquisa publicada nestaquinta-feira calcula que cerca de 30 noruegueses contraem câncera cada ano devido à ingestão de certos alimentos fritos. A Autoridade de Controle de Alimentos da Noruegaencomendou o estudo logo após os cientistas suecos tereminformado em abril que a batatas fritas e outros alimentos ricosem carboidratos contêm uma substância chamada acrilamida, quepode provocar o câncer. A acrilamida se forma quando os carboidratos sãoaquecidos em certos processos culinários, como o de fritarbatatas ou assar o pão, segundo o estudo.O comunicado à imprensa diz que a análise feita em 30alimentos confirma a descoberta dos cientistas suecos e umestudo posterior realizado na Grã-Bretanha. A autoridadenorueguesa emitiu uma advertência para que as pessoas queconsomem grande quantidade dos alimentos mencionados reduzam sua ingestão. "Algumas comidas cuja base são os carboidratos fritoscontêm grande quantidade da suposta substância cancerígena(chamada) acrilamida", segundo o comunicado. Entre os alimentos estudados, as batatas fritas foram asque apresentaram o maior nível de acrilamida - 90 vezes mais doque o pão, que está no nível mais baixo. As autoridades disseram que houve grandes variaçõesentre as marcas, o que indica que as técnicas de produção podemreduzir os níveis de um produto."Estamos mantendo um intenso diálogo com os produtoresde alimentos e eles nos informaram que estão trabalhandoativamente para reduzir os níveis de acrilamida na comidanorueguesa", disse o diretor da agência governamental, GunnarJordfald. Esses alimentos não parecem ser muito perigosos quandosão ingeridos em pequenas quantidades, mas "os grandesconsumidores deveriam reduzir um pouco sua ingestão", indicou o comunicado. Os cientistas da agência disseram que a acrilamida nasbatatas fritas seria a causa, segundo acreditam, de 1% dos casosde câncer relacionados com a dieta alimentar que são detectadosanualmente no país de 4,5 milhões de habitantes.

Agencia Estado,

06 de junho de 2002 | 21h51

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.