Dida Sampaio/AE-27/8/2010
Dida Sampaio/AE-27/8/2010

Fundo Global de Luta Contra a Aids quer Brasil como doador

Diretor de entidade que financia projetos de saúde no mundo diz países do Brics devem colaborar com dinheiro

Jamil Chade - Correspondente/Genebra,

03 Maio 2011 | 01h32

Chegou a hora de o Brasil passar da condição de um país receptor de ajuda internacional para ser um doador. É o que defende Michel Kazatchkine, diretor do Fundo Global de Luta Contra a Aids, Tuberculose e Malária, a maior entidade de financiamento de projetos no campo da saúde no mundo, com um caixa de US$ 30 bilhões.

Com a crise da dívida nos países ricos e reduções importantes de doações da Espanha, Itália e outros tradicionais doadores, o Fundo sai em busca de novos financiadores.

Em entrevista ao Estado, Kazatchkine afirma que Brasil, Índia e China devem começar a pensar em adotar metas mínimas de doações, assim como foi estabelecido nos países ricos há cerca de 20 anos. "Não acho que é sustentável que esses países fiquem de fora do financiamento da solidariedade global, dado a riqueza que eles geram", disse.

Desde sua criação, há dez anos, o Fundo aprovou US$ 48 milhões em recursos para o Brasil para combater a malária e a tuberculose. Mas o diretor da entidade acredita que não há mais lugar para o Brasil fazer novos pedidos de financiamento, e cita a Rússia - que reembolsou os fundos que recebeu - como um exemplo a ser seguido pelo governo de Dilma Rousseff.

Promessas. "A Rússia é o país que criou um precedente. Em 2007, decidiu reembolsar o que havia recebido. E isso foi quase US$ 300 milhões. Além disso, fez promessas de doação de outros US$ 60 milhões", explicou.

Segundo ele, o Brasil não pede mais dinheiro - recebe apenas financiamentos acertados previamente. "Em setembro de 2010, quando estive com o (ex-chanceler Celso) Amorim, ele me disse que o mínimo que o Brasil poderia fazer era agora reembolsar o Fundo no valor que recebeu, assim como os russos fizeram em 2007."

Reunião. A partir do dia 28 de junho, o Fundo realiza em São Paulo uma das principais reuniões de seu calendário, justamente com a meta de desenhar a estratégia da entidade para combater a Aids, tuberculose e malária até 2016.

Kazatchkine não perderá a oportunidade para se reunir com o governo para apontar para as novas responsabilidades do País. "Acho apropriado que nessa etapa de transição, de um país receptor de financiamento para um potencial doador, tenhamos a reunião no Brasil", disse.

Kazatchkine elogiou o governo brasileiro. " O Brasil está altamente envolvido na cooperação Sul-Sul. Exportou seu know-how em produzir remédios e treinamento de médicos", disse. "Mas isso não é suficiente para ajudar pessoas a ter acesso a remédios. Hoje, o tratamento no caso da Aids chega a apenas 40% dos pacientes no mundo. Outros 60% ainda precisam de acesso. Precisamos de dinheiro, e se há um mecanismo de financiamento que mudou de fato a trajetória da epidemia no mundo nos últimos anos foi o Fundo Global", acrescentou.

Mais conteúdo sobre:
Aids Brasil

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.