Imagem Fernando Reinach
Colunista
Fernando Reinach
Conteúdo Exclusivo para Assinante

Fungos de 1 bilhão de anos

Podemos dizer que plantas, animais e fungos provavelmente surgiram na mesma época

Fernando Reinach *, O Estado de S.Paulo

25 de maio de 2019 | 03h00

Sabemos muito pouco sobre o início da vida na Terra. E pior, o que sabemos é com base em pouquíssimas observações. E não é para menos: muitos seres viveram no passado distante, eram minúsculos e não possuíam ossos ou carapaças passíveis de fossilização. É por isso que a descoberta de fungos fossilizados no Ártico Canadense é tão importante.

De maneira simplificada, a história da vida na Terra é a seguinte: a Terra se formou aproximadamente 4,5 bilhões de anos atrás e levou 1 bilhão de anos para surgirem os primeiros seres vivos, aproximadamente 3,5 bilhões de anos atrás. Sabemos pouco sobre como eles surgiram, mas acreditamos que eram parecidos com o que hoje chamamos de bactérias. 

Eram constituídos de uma única célula, e essa célula não possuía divisões internas. O DNA e todos seus componentes flutuavam em um único espaço, isolado do meio exterior por uma membrana (são os procariotos). 

O próximo passo foi o surgimento de seres vivos, também compostos por uma única célula, mas agora essa célula tinha divisões internas. O DNA ficava no núcleo e o espaço interno era subdividido (são os eucariotos). Esses seres vivos, cujo exemplo atual seria uma ameba, surgiram por volta de 1,7 bilhão de anos atrás.

O passo seguinte, que imaginamos ter ocorrido por volta de 1,5 bilhão de anos atrás, foi o surgimento dos eucariotos compostos por mais de uma célula. Nos fazemos parte desse grupo de seres vivos com mais de uma célula eucariótica. Nesse enorme grupo estão todas as plantas (das samambaias às árvores), todos os animais (da abelha ao homem) e todos os fungos. 

Ali encontramos desde os fungos com somente um punhado de células até seres como nós, compostos por bilhões de células – cada grupo responsável por uma parte e função do corpo (pele, cérebro, fígado). Até agora se acreditava que o aparecimento desses três grandes subgrupos teria ocorrido entre 1,5 bilhão de anos e 500 milhões de anos atrás, sendo que os fungos mais antigos datavam de 500 milhões de anos atrás, mais recentes, portanto, do que as plantas e os animais. E foi isso que mudou esta semana.

No extremo norte do Canadá, muito acima do círculo polar ártico, existe um parque nacional chamado Tuktut Nogait. Em um vale acessível somente por helicóptero existem rochas formadas por camadas de sedimentos. A área deve ter sido um imenso estuário. 

Essas rochas são muito antigas, tendo sido formadas aproximadamente 1 bilhão de anos atrás. Como esse tipo de rocha se forma sem que haja grandes pressões e altas temperaturas, os cientistas imaginaram que talvez fosse possível encontrar fósseis de seres vivos primitivos nesse local.

E foi assim que pousaram lá e coletaram uma quantidade razoável de material que foi levada para o laboratório. A rocha sedimentar foi, então, dissolvida e todo material biológico, isolado.

Quando esse material foi examinado no microscópio, os cientistas observaram estruturas típicas de fungos. Longos filamentos ramificados que acabavam em pequenas esferas. O material que constituía a parede desses seres vivos foi analisado. Tudo indica que ele é constituído de quitina, um material característico dos fungos. A conclusão é de que havia uma grande quantidade de fungos nesse estuário, na costa do atual Canadá, 1 bilhão de anos atrás.

Até então os fungos mais antigos encontrados no planeta tinham 500 milhões de anos. Agora, a data para o surgimento dos fungos no nosso planeta passou a ser 1 bilhão de anos. 

Podemos dizer, então, que plantas, animais e fungos provavelmente surgiram na mesma época, há mais de 1 bilhão de anos. Nos próximos anos, esse dado será incorporado às teorias que descrevem os possíveis cenários para o aparecimento da biodiversidade no nosso planeta. 

Não é interessante saber que todos os animais, todas as plantas e todos os fungos que encontramos nas florestas de hoje são descendentes de formas primitivas desses três grupos? E que eles já existiam 1 bilhão de anos atrás, quase 999 milhões de anos antes dos ancestrais do ser humano surgirem no planeta? Isso me deixa pensando: qual o direito que nós, recém-chegados ao planeta, temos de extinguir os descendentes de seres vivos que sobrevivem por aqui faz 1 bilhão de anos?

MAIS INFORMAÇÕES: EARLY FUNGI FROM THE PROTEROZOIC ERA IN ARCTIC CANADA. NATURE https://doi.org/10.1038/s41586-019-1217-0 (2019)

* É BIÓLOGO

Tudo o que sabemos sobre:
biodiversidadefungociência

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.