Game violento aciona cérebro para agressão real

Jogar viodeogame provoca as mesmas respostas violentas no cérebro que uma agressão real, de acordo com pesquisadores da Universidade de Aachen, na Alemanha, diz uma reportagem na revista New Scientist.A equipe deu a voluntários um jogo em que eram obrigados a matar "terroristas" para salvar reféns e constatou, em imagens de ressonância magnética no cérebro, o mesmo tipo de atividade observado quando as pessoas agem com violência em situações reais.Especialistas advertem que jogadores contumazes podem estar mais predispostos à agressão.O estudo, apresentado no Encontro Anual da Organização para o Mapeamento do Cérebro Humano em Toronto, no Canadá, segue uma outra pesquisa que mostrou que as pessoas que usam jogos de computador violentos têm uma maior propensão à violência.Emoção paradaA equipe alemã estudou 13 homens entre 18 e 26 anos que jogavam games violentos em média duas horas por dia.Os pesquisadores monitoraram a atividade cerebral dos voluntários cena por cena do jogo e viram como ela mudou durante interações com violência e períodos de calma. Verificou-se que, quando a violência é intermitente, partes do cérebro que lidam com o processamento de informações se tornam mais ativas.Durante uma luta no jogo, partes do cérebro que lidam com emoção ficam paradas. O mesmo padrão é visto em imagens do cérebro de pessoas durante atos de agressão real.Vida realNiels Birbaumer, da Universidade de Tubingen, na Alemanha, sugeriu que usar esses jogos regularmente pode fortalecer determinados circuitos no cérebro e um jogador contumaz pode ser mais suscetível a reagir de maneira agressiva ao enfrentar uma situação de violência na vida real.Guy Cumberbatch, chefe do Grupo de Pesquisa de Comunicações da Grã-Bretanha, uma organização independente, disse: "Se as descobertas deste estudo são as mesmas verificadas quando as pessoas enfrentam situações imaginárias, por que haveria diferença quando eles assistem à violência em filmes e apresentações teatrais?""O problema é, trata-se de uma caça às bruxas em relação aos videogames", disse ele. "O instinto de dar um soco no nariz de alguém é muito básico. Eu não acho que seja influenciado de forma alguma pelo uso destes jogos", concluiu Cumberbatch.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.