Ganhador do Nobel acusa Pio XII e pede prisão de Ahmadinejad

Elie Wiesel, sobrevivente do Holocausto, pediu que o presidente do Irã seja julgado em corte internacional

Philip Pullella, Reuters,

27 Janeiro 2010 | 15h25

O sobrevivente do Holocausto e ganhador do Nobel da Paz Elie Wiesel, em discurso no Parlamento italiano, atacou o papa Pio XII, que comandava a Igreja Católica durante a 2ª Guerra, criticando o "silêncio" do pontífice frente ao massacre dos judeus pelos nazistas.

 

Sobreviventes de Auschwitz relembram vítimas do Holocausto

Bento XVI pede que crimes do Holocausto 'nunca se repitam'

Papa: igreja ajudou judeus silenciosamente no Holocausto

Shimon Peres pede punição a culpados pelo Holocausto

 

 Wiesel, sobrevivente de Auschwitz e Buchenwald, fez um discurso emocionado durante o Dia Mundial de Memória do Holocausto, que também marca os 65 anos da libertação do campo de extermínio de Auschwitz.

 

Praticamente ao mesmo tempo, o papa de nacionalidade alemã Bento XVI, que já defendeu as ações de seu antecessor, também falou sobre o Holocausto durante a audiência geral no Vaticano, do outro lado do Rio Tibre.

 

"Seja no nível mais rasteiro da polícia ou no nível mais exaltado da espiritualidade, o silêncio nunca ajuda as vítimas. Silêncio sempre ajuda o agressor", disse Wiesel a parlamentares e altas autoridades italianas, incluindo o primeiro-ministro Silvio Berlusconi.

 

Uma fonte do grupo de Wiesel disse depois a jornalistas que as palavras "nível mais exaltado da espiritualidade" referiam-se a Pio XII, que comandou a Igreja de 1939 a 1958.

 

A questão de o que Pio fez ou deixou de fazer para socorrer os judeus da Europa durante a guerra é uma questão candente entre católicos e judeus, e a referência no discurso de Wiesel mostra que ela está longe de resolver-se.

 

Há dez dias, o papa Bento XVI fez sua primeira visita à sinagoga de Roma, onde um líder judeu disse-lhe, diretamente, que Pio deveria ter se expressado com maior firmeza contra o Holocausto, para manifestar solidariedade aos judeus que estavam sendo levados "aos fornos de Auschwitz".

 

O Vaticano insiste que Pio não se manteve omisso, mas optou por atuar nos bastidores, temendo que uma intervenção pública piorasse a situação dos judeus e católicos nos territórios controlados pela Alemanha.

 

Na audiência geral, Bento, que foi convocado para a Juventude Hitlerista e para o Exército alemão enquanto era adolescente, durante a 2ª Guerra Mundial, referiu-se ao Holocausto como uma "loucura homicida" que jamais deve ser esquecida.

 

Em seu discurso, Wiesel também renovou sua exigência de que o presidente do Irã, Mahmoud Ahmadinejad, que já negou o Holocausto e pediu a destruição de Israel, seja preso da próxima vez que deixar o Irã.

 

"Ele deve ser arrastado para a Corte Internacional de Justiça para responder por incitação de crimes contra a humanidade", disse.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.