Gato narra a história de seu 'melhor amigo', o papa

Livro, cujo narrador é o felino de estimação de Bento XVI, foi escrito quando Joseph Ratzinger era cardeal

Philip Pullella, da Reuters,

03 de outubro de 2007 | 17h26

O gato Chico descreve a vida de seu "melhor amigo", o papa Bento XVI, numa biografia autorizada lançada esta semana para o público infantil. "Queridas crianças: aqui vocês encontrarão uma biografia diferente de outras, porque é relatada por um gato, e não é todos os dias que um gato pode considerar o Santo Padre seu amigo e sentar-se para escrever a história da vida dele", diz o secretário pessoal do papa, monsenhor Georg Ganswein, no prefácio.   Joseph and Chico - A Cat Recounts the Life of Pope Benedict XVI (Joseph e Chico - Um Gato Relata a Vida do Papa Bento XVI) é narrado por Chico, que ficou amigo do papa quando este ainda era o cardeal Joseph Ratzinger, em sua Alemanha natal.   O livro ilustrado de 44 páginas foi escrito pela italiana Jeanne Perego, e a história se passa sobretudo na Alemanha, antes de Bento ser eleito papa, em abril de 2005.   Chico é um gato real que pertence a um casal alemão na cidade de Pentling, Alemanha, onde o papa viveu até mudar-se para Roma em 1981. O casal cuida da casa onde Ratzinger esperava viver sua aposentadoria, se não tivesse sido eleito papa.   O gato conta a história da vida do "melhor amigo" desde seu nascimento na Alemanha, em 1927, passando por sua juventude e sua fase de padre, bispo e cardeal, terminando com a eleição para pontífice, em 19 de abril de 2005.   O relato cobre a era nazista na Alemanha, quando o papa era adolescente, descrevendo os anos da guerra como "uma das épocas mais dramáticas e vergonhosas na história da humanidade".   Durante os anos em que foi cardeal em Roma, o futuro papa fez amizade com outro gato que encontrou na rua e o manteve em seu apartamento até ser eleito papa. Há relatos conflitantes quanto a se o gato se mudou ou não para o Vaticano com Bento XVI.

Tudo o que sabemos sobre:
Bento XVIgato Chico

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.