Google desmente notícia sobre descoberta de Atlântida

Empresa se apressou em esclarecer que o captado por seu programa são plantas deixadas por navios

Efe,

20 de fevereiro de 2009 | 16h28

As esperanças de ter encontrado a ilha submersa de Atlântida terminaram nesta sexta-feria, 20, quando o Google disse que a "descoberta" de um engenheiro britânico não se tratava da mítica civilização, mas de um processo de um moderno mapa do solo oceânico.       Veja também:  Google lança ferramenta para explorar os oceanos   O jornal The Sun publicou em capa a suposta descoberta do engenheiro aeronáutico Bernie Bamford, com o uso do Google Ocean (parte do Google Earth) do que pareceria ser a ilha de Atlântida, mencionada pela primeira vez pelo filósofo grego Platão (427-347 a.C.).   No artigo, que inclui uma fotografia, o jornal assinala que o encontrado no fundo do mar não pode ser uma formação natural, mas deve ter sido construída pelo homem.   O Sun afirma que, a julgar pela imagem do Google Ocean, a suposta civilização que afundou há quase 12 mil anos - segundo o relato de Platão - se encontraria no oceano Atlântico, 965 quilômetros ao oeste das ilhas Canárias, a uma profundidade de 5,6 quilômetros.   No entanto, o Google se apressou em esclarecer que o captado por seu programa são plantas deixadas por navios enquanto recolhem dados para elaborar um mapa do fundo oceânico.   "O que os usuários estão vendo são artefatos do processo de coleta de dados", explicou uma porta-voz da companhia, segundo a agência britânica PA.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.