Fabio Motta/AE
Fabio Motta/AE

Governador do Rio lança a campanha 'Rio sem Homofobia'

Sérgio Cabral disse que a polícia será 'reeducada' para combater a violência contra homossexuais

Luciana Nunes Leal,

16 Maio 2011 | 14h51

Rio, 16 - Ao participar do lançamento da campanha Rio sem Homofobia, o governador Sérgio Cabral (PMDB) estimulou policiais civis e militares e bombeiros homossexuais a participarem da próxima passeata gay no Estado.

"Da minha parte estão todos liberados para participar. Com carro do Corpo de Bombeiro, carro da polícia. Nenhum problema. Em Nova York é assim. Em Paris eles vão uniformizados. Por quê? Porque o amor não deve ser razão para nenhum tipo de discriminação", discursou Cabral, aplaudido pela plateia que misturava autoridades, artistas e militantes gays, lésbicas, travestis e transexuais.

O governador disse ainda que a polícia "vai se reeducar" e atuar no combate à intolerância e violência contra homossexuais. A campanha Rio sem Homofobia, do governo do Estado, vai distribuir cartazes e veicular peças publicitárias de rádio e TV com o slogan "Discriminação - quando você não participa não vai para frente".

A senadora Marta Suplicy (PT-SP), relatora do projeto de lei que criminaliza a homofobia, participou do lançamento. "Enquanto o Legislativo se apequenou nos últimos 16 anos, o Judiciário avançou", disse a senadora, citando decisão do Supremo Tribunal Federal (STF), que por unanimidade reconheceu a união civil de pessoas do mesmo sexo.

O superintendente de Direitos Individuais, Coletivos e Difusos e coordenador do programa Rio sem Homofobia, Cláudio Nascimento, disse que, apesar dos avanços no combate à discriminação, ainda é preocupante a alta incidência de ataques e assassinatos de homossexuais. A cantora Elza Soares e a atriz e travesti Jane Di Castro prestigiaram a festa, encerrada com distribuição de rosas e um coquetel.

Veja também:

linkEvangélicos impedem votação do projeto que criminaliza homofobia

Mais conteúdo sobre:
homossexualidade

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.