André Dusek/AE
André Dusek/AE

Governo brasileiro rompe silêncio sobre renúncia do papa

Silêncio foi interpretado como sinal de distanciamento entre o governo brasileiro e o Vaticano

Tânia Monteiro e Lígia Formenti,

13 Fevereiro 2013 | 19h30

BRASÍLIA - O ministro-chefe da Secretaria Geral da Presidência da República, Gilberto Carvalho, rompeu nesta quarta-feira o silêncio de dois dias do governo brasileiro sobre a renúncia do papa Bento XVI. Diante da expectativa, e para evitar um maior mal estar, Carvalho participou do lançamento da Campanha da Fraternidade 2013 da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB). Logo nos primeiros minutos do discurso, apressou-se em dizer: "Não há problema na relação entre governo e Igreja. Pelo contrário", completou. Em suas palavras, o sentimento existente é de "gratidão".

Carvalho disse discordar da avaliação de que o País teria demorado em se manifestar sobre a renúncia de Bento XVI. "Não havia o que se falar. Foi uma atitude respeitosa", completou.

O silêncio, no entanto, para muitos foi interpretado como sinal de distanciamento entre governo brasileiro e Vaticano, um movimento que teria ganhado forma ainda durante a campanha presidencial, quando o papa teria recomendado que a Igreja não apoiasse candidatos que, de alguma forma, fossem favoráveis ao aborto.

O ministro-chefe esmerou-se nesta quarta-feira em mostrar que o clima era outro. Ele mesmo muito próximo da Igreja, mostrou animação cantando o refrão da música da Campanha da Fraternidade, que tem como tema a juventude e o lema "Eis-me Aqui, envia-me."

Mesmo diante do clima amistoso, Carvalho procurou deixar clara a necessidade da independência Igreja e governo. Questionado sobre as expectativas de um cardeal brasileiro ser eleito papa, ele aproveitou para afirmar: "A Igreja não deve ser submissa ao governo, nem o governo à Igreja", completou.

O secretário geral da CNBB, Leonardo Steiner, por sua vez, afirmou que seria uma "honra" a indicação de um cardeal do País para chefiar a Igreja. "O Brasil tem chances", assegurou, sem querer arriscar qual dos cardeais estaria mais próximo do cargo.

Sempre muito cuidadoso e medindo as palavras, Gilberto Carvalho ressaltou que o governo brasileiro respeita a decisão do papa Bento XVI em renunciar ao cargo."Eu queria atestar em nome da presidente Dilma, a nossa posição frente a essa decisão de Bento XVI, que é acima de tudo uma posição de respeito, de reverência e de um desejo muito forte de que ele possa continuar contribuindo com a Igreja, no plano espiritual, nas orações e, enfim, na vida que ele está escolhendo", afirmou Carvalho, que fez questão de rebater que houve demora por parte do governo brasileiro em se manifestar e acrescentando que, assim como a presidente Dilma Rousseff, nenhuma liderança da América Latina se manifestou sobre a renúncia do papa. Para ele, "atitudes são mais importantes do que falas".

Mais conteúdo sobre:
papa renúncia Carvalho

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.