Governo define 900 áreas para conservação

Desde o descobrimento do Brasil, o homem já destruiu uma área equivalente a 400 milhões de hectares (4 milhões de km²). O alerta foi dado pelo diretor do Programa Nacional de Biodiversidade, Paulo Kageyama, durante cerimônia comemorativa do Dia Internacional da Diversidade Biológica, 22 de maio, no Palácio do Planalto.Os biomas mais afetados foram o da Mata Atlântica e o do Cerrado, com 93% e 80% das áreas devastadas. Para tentar preservar as áreas restantes, o governo assinou um decreto nesta sexta-feira definindo 900 áreas prioritárias para conservação da biodiversidade. Elas serão utilizadas para estudos científicos e preservação das espécies naturais."O governo vai focalizar suas políticas de proteção, fiscalização e uso sustentável nessas áreas", disse a ministra do MeioAmbiente, Marina Silva. A delimitação dos espaços não impede, no entanto, a visita turística dos locais, desde que utilizados de maneira sustentável, explicou Marina. "Não estamos apenas dizendo o que não pode. Estamos criando as bases técnicas, científicas e de apoio de recursos para o uso sustentável dos recursos naturais", disse.

Agencia Estado,

22 de maio de 2004 | 03h51

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.