Governo tenta controlar venda para proteger pau-brasil

O governo brasileiro vai transformar sua política para o comércio do pau-brasil. Técnicos do Ibama e do Ministério do Meio Ambiente estão preparando opções de políticas públicas para a espécie. Entre as opções está a notificação do pau-brasil à Convenção Internacional sobre o Comércio de Espécies Ameaçadas (Cites), o que colocaria a madeira entre as que precisam ser monitoradas e controladas antes da venda.Segundo Tasso Azevedo, diretor de programas da Secretaria de Florestas do Ministério do Meio Ambiente, a iniciativa na entidade internacional obrigaria todos os que importam o produto, principalmente europeus e americanos, a notificar internacionalmente a compra. A medida não impediria que o pau-brasil fosse exportado, mas criaria exigências para evitar o contrabando.Hoje, para que o pau-brasil seja vendido, o exportador precisa provar que há um plano de manejo. Outra opção seria exportar apenas o pau-brasil cultivado. O problema, porém, é que em muitos casos a madeira está sendo exportada com outro nome, como um produto acabado ou mesmo como madeira reutilizada.Arcos de violinosOs principais compradores de pau-brasil são os produtores de violinos, que o usam desde o século 18 para a produção dos arcos mais caros do mundo. ?Existe uma combinação de força e flexibilidade que é ideal para o arco. Os melhores fabricantes usam a madeira que vem do Brasil?, afirma Neil Ertz, fabricante em Cambridge, na Inglaterra.Azevedo garante que o Brasil tem apoio internacional para seguir com a proposta. Foi criada uma entidade de fabricantes de arcos que defende a idéia de promover a sustentabilidade do pau-brasil ? conhecido pelo nome de pernambuco no resto do mundo ?, a Iniciativa de Internacional de Conservação do Pernambuco, formada por 70% dos fabricantes do planeta.Mas nem todos parecem estar de acordo com a medida que seria adotada pelo Brasil. Na Itália, fabricantes de arcos afirmam que ela pode afetar o preço dos instrumentos e o contrabando se tornará mais sofisticado.Segundo outra entidade que apóia a idéia de manejo ambiental, a Global Trees Campaing, não há dados exatos sobre exportações de pau-brasil, mas a demanda anual é de cerca de 200 m³. Para a Global, o problema é que 80% da madeira é desperdiçada pelos fabricantes de arcos.

Agencia Estado,

05 de maio de 2004 | 16h44

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.