Governo vai ajudar Estados a conter desastre ecológico em Minas

A ministra do Meio Ambiente, Marina Silva , disse ontem que o governo federal não irá se "furtar a dar o apoio necessário" aos governos do Rio e de Minas Gerais nos trabalhos de contenção da lama tóxica que atingiu as bacias dos rios Pomba e Paraíba do Sul, em conseqüência do rompimento, no último sábado, de um reservatório de rejeitos da Indústria Cataguases de Papel Ltda."O dano ambiental afeta a todos nós", disse Marina Silva, após participar pela manhã, no Palácio da Liberdade, da solenidade de assinatura de um contrato de contribuição financeira entre o governo mineiro e o banco alemão Kreditanstalt für Wiederaufbau (KfW). Segundo a ministra, um sistema de contenção da Petrobras foi deslocado até a região do vazamento para tentar conter o derramamento. Além disso, técnicos do Ibama-MG e da Agência Nacional de Águas estão atuando na área, em conjunto com entidades ambientais dos Estados de Minas e do Rio. Marina Silva defendeu que a empresa responsável pelo acidente seja penalizada. "Há um problema gravíssimo em relação ao passivo da empresa. Há um problema grave porque a empresa, até agora pelo que eu sei, não notificou as autoridades ambientais quando do derramamento, e isso é um crime que não pode, de jeito nenhum, ficar sem as devidas penalidades".O governador de Minas, Aécio Neves (PSDB), lamentou o desastre ambiental e disse que o governo do Estado está implementando medidas para incrementar a fiscalização e evitar acidentes como ocorrido em Cataguases. O governo estadual irá receber 7,669 milhões de euros (cerca de R$ 25 milhões) de contribuição financeira do governo alemão, por meio do banco KfW, para aplicar, nos próximos quatro anos, no Programa de Proteção da Mata Atlântica de Minas Gerais (Promata/MG). Está prevista uma contrapartida do governo mineiro no valor de 7,313 milhões de euros (cerca de R$ 24 milhões). Os recursos serão investidos na criação e na consolidação da infra-estrutura de parques estaduais, disse Aécio. Segundo a Secretaria de Estado do Meio Ambiente, as regiões Sul, Zona da Mata e Vale do Rio Doce do Estado serão beneficiadas futuramente com a construção de um corredor ecológico.

Agencia Estado,

01 de abril de 2003 | 16h19

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.