Governo vai financiar pesquisa com célula-tronco

O Ministério da Saúde vai financiar uma rede de pesquisa para estudar a eficácia do transplante de células-tronco de adultos no tratamento de doenças cardíacas. Estão reservados para o projeto R$ 5 milhões, a serem gastos ainda este ano.O trabalho deve estrear uma parceria entre Ministério da Saúde e Ministério da Ciência e Tecnologia, formalizada hoje, para incentivar estudos na área de saúde. Para toda a parceria, a pasta de Saúde deverá destinar R$ 57 milhões, a serem gastos ainda este ano.Embora faltem somente três meses para o fim do ano, o ministro da Saúde, Humberto Costa, avalia que será possível usar toda a verba disponível neste prazo. "As negociações estão adiantadas. Vamos agora lançar editais para escolher laboratórios candidatos a todas as linhas de pesquisa", disse.Além de trabalhos com células-tronco, a parceria deverá financiar projetos para desenvolvimento de vacinas, kits usados em diagnósticos, pesquisas relacionadas a doenças como hantavirose, mortalidade materna e violência e acidentes. Ao todo, são seis linhas de trabalho. O diretor do Departamento de Ciência e Tecnologia do ministério, Reinaldo Guimarães, afirmou que os estudos com células-tronco deverão ser divididos em quatro grupos, cada um com 300 pacientes. Num deles, será avaliada a eficácia do transplante de células-tronco do próprio paciente para o tratamento de cardiopatias provocadas pela Doença de Chagas.O segundo grupo, vai estudar os efeitos do tratamento em enfarte. O terceiro, em cardiopatias em que o coração do paciente está dilatado e a quarta, em casos crônicos.O estudo da terapia com células-tronco do próprio paciente já vem sendo realizado em alguns centros do País, principalmente no Rio, São Paulo e Salvador.Cerca de 70 pacientes já foram submetidos a essa técnica. "Os resultados obtidos até agora foram animadores", avalia Guimarães. Entretanto, a eficácia do uso de células-tronco do próprio paciente não é uma unanimidade entre pesquisadores. Alguns trabalhos demonstram que as células-tronco não são capazes de se transformar em células cardíacas. A terapia traria, no entanto, maior vascularização na área do coração afetada.Mesmo com as dúvidas apresentadas por alguns grupos de pesquisa, Guimarães afirma que o estudo pode ter resultados promissores. "Não se trata de um estudo polêmico. Os resultados clínicos apresentados pelos pacientes estão aí para comprovar", defendeu."Não sabemos quais os mecanismos que levam à melhora dos doentes tratados com a terapia. Talvez células-tronco de adultos não se transforme em células cardíacas. Mas é preciso um grupo maior para comprovar isso." Assim que laboratórios forem escolhidos, será iniciado o recrutamento dos voluntários para a pesquisa.

Agencia Estado,

09 de setembro de 2004 | 18h54

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.