Grande Muralha da China fica 23 metros menor

Patrimônio cultural da humanidade é afetado por mineração ilegal; quatro pessoas estão presas

Efe,

08 de novembro de 2007 | 10h22

Uma seção de 23 metros de comprimento da Grande Muralha da China foi destruída durante trabalhos de mineração ilegal na montanha Luliang, no noroeste do país, pelos quais quatro pessoas foram detidas, informou nesta quinta-feira, 8, a agência estatal chinesa Xinhua. A seção, de 10 metros de altura, ficava na região autônoma da Mongólia Interior. Ela foi totalmente destruída, e cerca de mil metros quadrados de área protegida ao seu redor também sofreram graves danos em outubro. O trabalho das máquinas durante uma semana afetou o patrimônio cultural chinês. "Esta seção da Grande Muralha era construída com barro em lugar de tijolos e pedra. Por isso, era mais sensível à erosão e às atividades humanas", explicou Wang Dashan, um especialista em proteção cultural. A Grande Muralha foi declarada Patrimônio da Humanidade em 1987. O Conselho de Estado criou uma norma em setembro de 2006, proibindo o vandalismo no monumento histórico. O vice-presidente da Associação da Grande Muralha da China, Dong Yaohui, afirmou que "só uma pequena parte da Muralhaestá protegida e cerca de 90%, sobretudo nas áreas distantes, carecem da proteção adequada".

Tudo o que sabemos sobre:
Grande MuralhaMineração

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.